gardo baquaqua marca paginas

Biografia de escravo brasileiro é publicada no Brasil

Em tempos que Cara Gente Branca levantou a pauta sobre racismo. A Editora Uirapuru publicou ha poucos dias, a biografia de um escravo que somente tinha sido publicada em 1854 nos Estados Unidos.

Mahommah Gardo Baquaqua nasceu na África Ocidental, no atual Benin, veio em um navio BAQUAQUA-356x500negreiro até o Brasil e, em Pernambuco, serviu de escravo a um padeiro. O ano era 1845. Dois anos depois, ele escapou. Um entre milhões de negros trazidos para as Américas, sua vida está documentada no livro Biografia de Mahommad Gardo Baquaqua.

Este é um dos poucos relatos da época que foi contado por um negro que foi escravo nas terras tupiniquins. A Biografia nos descreve costumes, estruturas e a relação entre os senhores e escravos, com ênfase na violência sofrida por Mahommad Gardo Baquaqua.

O livro preenche um dos muitos espaços deixados em branco na história da escravidão no Brasil. A intensidade do próprio autor é a chave para conseguirmos chegar ao máximo possível de entendimento sobre o que era ser um escravo no Brasil.

^332652FF536CD56EC77C6EABA070850C3AE4455F80BB2CDD52^pimgpsh_fullsize_distr

E se Obama fosse africano?: Ensaios líricos de Mia Couto

E se Obama fosse africano?, lançado pela primeira vez em 2009, é um livro de ensaios, publicado pela Companhia das Letras, do conhecido escritor moçambicano, Mia Couto. Diferente de seus outros livros, este tem como missão compilar diversos textos de intervenção do autor em encontros públicos que foi convidado a discursar.

Desde que li Terra Sonâmbula, fiquei completamente admirado com a escrita de Couto. Com14165_ggsua prosa poética e fantástica, o autor africano consegue literalmente nos fazer sonhar lendo. Em E se Obama fosse africano?, apesar de focado em suas intervenções, Couto mantém sua tradição e nos faz refletir durante as poucas mais de 200 páginas do livro. Mesmo que muitas intervenções sejam sobre sua terra natal e como a sociedade africana deveria se portar para alçar voos mais altos, é muito fácil para nós, brasileiros, encontrarmos similaridades com o nosso comportamento.

Mesmo sendo um livro curto, Couto ainda consegue inserir algumas belas passagens sobre vários outros aspectos. Em um dos trechos que mais gostei, o autor discorre sobre a importância da leitura. Segundo o autor, não devemos apenas saber ler e interpretar palavras em um livro, tendo em vista que outros tipos de leitura, como a do mundo e a dos outros, ainda nos é muito deficiente.

Agora você deve estar se perguntando: legal, mas o que o ex-presidente dos Estados Unidos tem a ver com isso? Trata-se do último ensaio presente no livro onde o autor discorre sobre qual seria a reação do povo e políticos africanos caso Obama fosse um dos candidatos ao cargo em qualquer país da África. Será que a reação seria a mesma de quando eleito nos EUA? Segundo Couto, muito provavelmente não. Quer saber por quê? Só lendo o livro 🙂

Para se acostumar com a escrita e pensamento de Couto, devemos nos permitir sonhar, voltar ao tempo de nossa infância e nos acostumar a ler mais o mundo, nós mesmos e os outros. O autor é mais do recomendado para todos que desejam se aventurar em uma escrita fantástica e que nos faça voltar a sonhar com muito mais força.

assassinato expresso oriente marca paginas

Adaptação: Assassinato no Expresso do Oriente ganha primeiras imagens

Estamos só um pouco ansiosos para ver o que vai resultar da adaptação norte americana de uma das obras mais conhecidas da Agatha Christie. A EW divulgou as primeiras imagens de Assassinato no Expresso do Oriente, longa que estreará no dia 10 de novembro deste ano.

O elenco tem nomes de peso como Penélope Cruz, Daisy Ridley, Johnny Depp, Michelle Pfeiffer, Josh Gad, Kenneth Branagh, Willem Dafoe, Judi Dench, entre outros.

Aguenta coração!

expressooriente03maio-05

Murder on the Orient Express (2017) Kenneth Branagh

Murder on the Orient Express (2017)
Kenneth Branagh

Murder on the Orient Express (2017) Manuel Garcia-Rulfo, Daisy Ridley and Leslie Odom Jr.

Murder on the Orient Express (2017)
Manuel Garcia-Rulfo, Daisy Ridley and Leslie Odom Jr.

Murder on the Orient Express (2017) Johnny Depp

Murder on the Orient Express (2017)
Johnny Depp

Murder on the Orient Express (2017) Michelle Pfeiffer

Murder on the Orient Express (2017)
Michelle Pfeiffer

Murder on the Orient Express (2017) Olivia Colman, left, and Judi Dench

Murder on the Orient Express (2017)
Olivia Colman, left, and Judi Dench

Murder on the Orient Express (2017) Penelope Cruz

Murder on the Orient Express (2017)
Penelope Cruz

Murder on the Orient Express (2017) Sergei Polunin, standing over unidentified character

Murder on the Orient Express (2017)
Sergei Polunin, standing over unidentified character

Josh Gad, left, and Johnny Depp star in Twentieth Century Fox’s “Murder on the Orient Express.” 2017 Twentieth Century Fox FIlm Corp.

Josh Gad, left, and Johnny Depp star in Twentieth Century Fox’s “Murder on the Orient Express.” 2017 Twentieth Century Fox FIlm Corp.

agora e para sempre lara jean marca paginas

O último livro da série Para todos os garotos que já amei chega às livrarias em maio

A espera está acabando! O terceiro e último livro da série Para Todos os garotos que já amei chegará as livrarias no dia 12 de maio. Depois de mais de um ano de espera Agora e para sempre, Lara Jean, irá encerrar a trilogia de Jenny Han,  publicada pela Editora Intrínseca.

No terceiro livro, Lara Jean está no último ano do colégio, e a vida não poderia estar melhor: ela está apaixonadíssima pelo namorado, Peter; seu pai vai se casar em breve com a vizinha, a sra. Rothschild; e sua irmã mais velha, Margot, vai passar o verão em casa. Mas, por mais que esteja se divertindo muito — organizando o casamento do pai e fazendo planos para os passeios de turma e para o baile de formatura —, Lara Jean não pode ignorar as grandes decisões que precisa tomar, e a principal delas envolve a universidade na qual vai estudar. A menina viu Margot passar pelos mesmos questionamentos, e agora é ela quem precisa decidir se vai deixar sua família — e, quem sabe, o amor de sua vida — para trás.

Quando o coração e a razão apontam para direções diferentes, qual deles se deve ouvir?

classico marca paginas

Lista: 8 livros clássicos que você pode ler em um dia

A Revista Galileu montou uma lista com 8 livros clássicos que podem ser lidos em um dia. Com o intuito de mostrar que para uma obra ser clássica, não precisa necessariamente ser volumosa, a revista fez esse breve levantamento. Tem clássicos para todos os gostos, desde mistério até científico. É uma boa forma para quem ainda não se aventurou na literatura clássica ou para quem quer fazer uma transição entre uma leitura e outra.

 

Crônica de uma morte anunciada, de Gabriel García Márquez (Record)
Nessa obra genial, Gabo conta a história de Santiago Nasar e de como toda a comunidade sabia que logo ele iria morrer, pois estava jurado de morte. A trama se desenvolve de uma forma fascinante, com toda a destreza da narrativa do colombiano. É uma ótima pedida para começar a se aventurar nas obras do autor de Cem Anos de Solidão.

Uma rua de Roma, de Patrick Modiano (Rocco)
Do ganhador do Nobel de literatura em 2014, Uma rua de Roma traz a história de Guy Roland, que sofre de amnésia total. No livro o protagonista tenta descobrir sua identidade bancando um detetive. A narrativa é cheia de reviravoltas e, como todo bom suspense, te prende até o final.

E não sobrou nenhum, de Agatha Christie (Globo Livros)
Considerado por muitos críticos o melhor livro de suspense de todos os tempos, E não sobrou nenhum conta a história de dez pessoas que são convidadas para passar alguns dias numa ilha. Envolvendo uma canção infantil, soldadinhos de porcelana e acontecimentos muito sinistros, a história tem um desfecho que só a Rainha do Crime poderia proporcionar.

Buracos Negros, de Stephen Hawking (Intrínseca)
O livro nada mais é do que a transcrição de duas famosas palestras que Hawking deu sobre buracos negros para a BBC Reith Lectures. Como já é de se esperar, as explicações do físico são fantásticas e muito didáticas. O livro ideal para quem curte o assunto ou para quem quer ser introduzido a ele.

A revolução dos bichos, de George Orwell (Companhia das Letras)
Esse é um grande clássico da literatura para quem quer aprender um pouco de história ou apenas se divertir. O livro traz a trama de animais de uma fazenda que decidem se rebelar contra o sistema problemático em que vivem, fazendo analogia à Revolução Russa de 1917.

Fahrenheit 451, de Ray Bradbury (Biblioteca Azul)
A distopia que Bradbury relata nesta obra mostra um mundo no qual as pessoas não podem ler livros. Bombeiros? Só aqueles que cuidam de queimar toda literatura encontrada. Mas, e quando um bombeiro resolve dar uma espiadinha numa das obras? O que será que o sistema opressor vai fazer? Só lendo pra descobrir.

A morte e a morte de Quincas Berro d’Água, de Jorge Amado (Companhia das Letras)
Considerado por muitos uma obra-prima da literatura brasileira, o livro conta um pouco da vida e da morte de Quincas Berro d’Água, homem muito correto que em determinado ponto da vida decide se voltar para a malandragem. Após sua morte, família do homem deseja reconstruir sua dignidade, enquanto os amigos querem levar o cadáver para se divertir.

A metamorfose, de Franz Kafka (Companhia das Letras)
Nesse livro, Kafka nos fala sobre o caixeiro-viajante Gregor Samsa e como ele acabou se transformando em um terrível inseto. A narrativa une o realismo e o humor de forma melancólica, mas memorável. Clássico da literatura universal, A metamorfose é uma boa ideia para quem gosta de viajar sem sair da poltrona.